"O maior prazer de um homem inteligente é bancar o idiota diante de um idiota que banca o inteligente"



Confucio



segunda-feira, 6 de junho de 2011

E o E.T. virou poeta...


Como a maioria dos alienígenas, eram todos absolutamente iguais. Ariovaldo não aguentava mais tanta monotonia. Não apenas a monotonia de olhar para a mesma cara todos os dias diante do espelho mas a mesmice de olhar para a mesma cara no trabalho, na escola, na balada, na vizinhança, no planeta todo! Haja imaginação para elogiar os olhos da amada, tão enormes e esbugalhados quanto todos os outros. E da mesma cor.
É, o Ariovaldo tava jururu. Sua mãe nem ligava. De tempos em tempos um desses jovens sempre questionava o porquê de serem concebidos assim, iguaizinhos. Eram assim há milênios, frutos de uma geração ideal, criada em laboratório após extensas pesquisas e experimentos genéticos. Chegaram, pois, ao apogeu de civilização. Todos iguais. Iguais, mesmo.
Ariovaldo, largadão no sofá da sala, resolveu encontrar com a galera pra animar um pouquinho. Digitou o código no seu desmaterializador de pulso e materializou-se na casa do avô...De novo!
- Você não vinha pra cá, vinha?
- Claro que vinha, vô! E aí? - disfarçando.
- Vinha nada! - resmungou o velho - Essa merda aí pifou de novo, não foi? É o que eu digo! No meu tempo não era assim. A boa e velha cabina de teletransporte é que era boa! Podia demorar dois décimos de segundo a mais mas o destino era certo! Essas invencionices...
Ariovaldo olhou pra cima louco pra sumir dali:
- Valeu vô, to indo, tenho que estudar pra uma prova aí - e se mandou pra casa.
"Entediado" - publicou no seu microblog. Suspiro.
Resolveu fazer umas visitas virtuais. Deu uma espiadinha nos severianos, habitantes do planeta vizinho. Que sorte tinham! Seus olhos tinham cores diferentes, variavam do amarelo ao mostarda. Entrou, bateu um papinho com o Fernandinho, seu amigo inter cambista de idos tempos. Saiu, tédio de novo. Então, viu lá no menu de opções um planetinha azul, recém descoberto, que ninguém dava bola`. Pensou o quê poderia ter de interessante num lugar tão pequeno e distante. Os Senhores diziam que fazia parte dos planetas nanicos. Em tamanho e civilidade. E que não valeria à pena conhecê-lo. Logo o deletariam, aliás...
Resolveu xeretar. Se fosse legal entraria pra conhecer o pessoal.
Mas às primeiras imagens que surgiram em frações de segundos,
Ariovaldo esbugalhou ainda mais os olhos! O que era aquilo? Um verde interminável, ponteado de um colorido impressionante com criaturas voando, ainda mais coloridas e emitindo um som maravilhoso. Seu coração começou a bater mais forte. Pensou se eram esses os habitantes do planetinha,  mas viu muitas outras criaturas totalmente diferentes! Cara, não acredito!
Excitadíssimo, continuou freneticamente sua exploração virtual. Viu, então, uma praia. Seu coração, aí sim, quase saiu pela boca. O que eram aquelas criaturas? Pareciam ter pernas e braços como ele. Mas eram únicas! Não havia uma sequer igual à outra. E algumas delas, caramba! .Algumas eram lindas, com umas curvas, uma cor dourada. O Ariovaldo pirou o cabeção!
Tomou coragem e entrou. Seu materializador o deixou invisível por questão de segurança. Caminhou completamente pasmo entre aqueles seres absolutamente incríveis. Não cansava de se maravilhar, quase bateu o cabeção num poste, extasiado com uma morena escultural. Em que ano estelar estaria? Perguntou ao XPO, seu tradutor universal de pulso.  No calendário local você está em 1962, disse o XPO,  e esse lugar aí é uma tal de "Praia de Ipanema".
Ipanema, murmurou suspirando o Ariovaldo, que também estava inaudível. Resolveu se enturmar. Ainda bem que tinha aquele opcional no XPO para assumir a forma dos habitantes dos locais visitados. Custou uma puta grana mas finalmente ia valer à pena.
Transformou-se num garotão de bermuda e camisa florida. O XPO disse que era o disfarce perfeito.
Viu um sujeito simpático, sozinho, numa mesa de bar. Pediu para o XPO traduzir os caracteres escritos na fachada. "Bar Veloso".
Entrou e sentou-se abruptamente à frente do homem e disse, mecanicamente:
- Oi, eu sou Ariovaldo!
O homem, no início um pouco assustado, acabou rindo e respondeu no mesmo tom:
- E eu sou Vinícius!
- Vinícius! E aí, véio? - com o sorriso mais idiota do mundo.
- Você é paulista, né? - disse o homem com cara de piedade.
O Ariovaldo achou melhor não contrariar:
- Ah, claro!
- Logo vi...
O Ariovaldo ficou horas conversando com o sujeito simpático que, de vez em quando, fazia aquela cara de piedade quando olhava pra ele. Ficou encantado com as histórias que o homem, pacientemente, lhe contava sobre aquela praia, aquela cidade que ele chamava Maravilhosa.
- Menino, parece até que você veio de outro planeta! O Rio é a Cidade Maravilhosa!
- Maravilhosa é pouco - disse o Ariovaldo olhando pra uma garota em um duas-peças que passava lá na calçada.
- É garoto, beleza é fundamental.
Ariovaldo lhe contou sobre a Lindalva, sua namorada. Disse-lhe que gostava dela mas que a parada tava meio devagar, quase parando. O tal Vinícius, então, lhe deu uma aula de sedução e poesia. Falou da paixão e de sua devoção às mulheres. Ariovaldo ouvia e se extasiava, nunca havia se sentido assim. Que lugar era aquele?
Estava super empolgado com a conversa quando viu uma criatura que lhe pareceu etérea. Linda! Aquilo que pendia de sua cabecinha, e que descobriu chamar-se cabelo, brilhava sob o sol, balançando ao balanço do andar. Era toda beleza e encanto. Coisa mais linda, mais cheia de graça…
Ariovaldo, emudecido e arregalado, só faltou começar a babar. O poeta, intrigado, olhou na mesma direção que ele:
- Rapaz, que coisa mais linda! Como é que nunca reparei nela? - e voltando-se para Ariovaldo - Faz dela a tua musa.
- Hein? - ainda abobado - musa?
Mas aí Ariovaldo sentiu uma súbita e deliciosa saudade da Lindalva. Despediu-se do poeta com um caloroso abraço. E resolveu ir direto pra casa dela.
Surpreendeu-a em seu quarto. Ela estava na varanda, olhando as luas gêmeas. Virou-se para ele e fitou-o com ternura, sorrindo. Ele, então, percebeu que aquele par de olhos, apesar de igual a todos os outros, era único...
E lá naquele distante planetinha azul, o poeta tomava para si a musa que fora de Ariovaldo.





Imagem: Bar Veloso. Ipanema.
Fonte: Site PierdeIpanema.com




***

6 comentários:

  1. Gostei do seu blog e bom conteudo ja estou seguindo voce abraços
    http://blogandodemadrugada.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, Gabriela! Seja muito bem vinda!! Abraços!

    ResponderExcluir
  3. Perfeito, Kássia. E você costurou as palavras num belo texto e foi preciso encontrar o poetinha maior para fazer entender que a poesia e a sedução ficaram lá naquele passado distante.
    Que bom que podemos viajar no passado para rever, reviver, reacender sentimentos. Com certeza éramos (e somos)mais felizes que o E.T. que você fez aportar por aqui!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  4. Obrigada, Profex! Fico feliz que tenha gostado deste texto, pois tive muito prazer em escrevê-lo. Um grande beijo e obrigada pela visita!!

    ResponderExcluir
  5. Excelente conto, Kássia! Uma viagem pela literatura regada à poesia da música. Nota 10!

    ResponderExcluir
  6. Obrigada pelo incentivo, Hélio! Seja, sempre, muito bem vindo! Beijo!

    ResponderExcluir